Letter from
Anderson

Message from Dandara

Camaçari, State of Bahia, Brasil

My name is Anderson Santana Dantas
and in this moment I am a piece of myself in anyone I have ever ‘touched’.
I am a body, isolated from others, some sort of a scientific experiment over myself.

Going to a shop nowadays it’s some sort of adventure.
A gay man, a Drag Queen, an artist, a black man, using a mask to protect myself
can be frightening.
I have been thru this a few times.

4 September 2020.
I am looking thru the window, I can see the bars in the window,
and thru them the sunlight comes thru.
It’s 5.20pm,
I didn’t sleep well,
I didn’t have lunch yet,
my head is in a pulsating agony.
I am not sure if this is due to the storm of thoughts, uncertainty of life
or simply
because I have used my cell phone too much.

There is a link between my thoughts, the window, the news about COVID 19, politics, racism, homophobia and corruption…..
so I stop.
My cat keeps me company.
I look in front of me and I find a headache pill.
Maybe there is also a solution to all my problems right in front of me.
ACTION!
So many plans, desires, projects….
Everything now is an uncertainty.
The only certainty for me now is that I want to spread my voice out there.
I want to see the wind to find its path.
A rainbow leading to the jars of gold.
I want to be a key that opens doors.

To be a lighthouse,
I am writing this text, summoning all those who believe in change.
I have spent too long online.
Now I want to be together in all possible ways.

Anderson

* * *

Camaçari, Bahia, Brasil

Eu Sou Anderson Santana Dantas
e neste momento eu suo um pedaço de mim em cada um por onde passei.
Me encontro agora corpo isolado dos outros, uma espécie de experiência cientifica de mim mesmo.

Ir ao mercado, nesse momento, é se aventurar.
Um homen gay, Drag Queen, artista, preto usando mascara pra se proteger pode amedrontar.
Passei por isso algumas vezes.

04 de setembro de 2020.
Eu olho pela janela: vejo uma grade mas por entre elas refletem raios de sol.
São 17:20 eu não dormi direto, inda não almocei, a minha cabeça dói e pulsa.
Não sei se por pensamentos acelerados, pelas incertezas da vida ou simplesmente por usar tanto o meu celular.

É uma espécie de conexão entre meus pensamentos e essa janela as noticias: COVID 19, política,,racismo, homofobia, corrupção… Eu paro.
A minha gata me faz companhia.
Olho a minha frente e vejo um comprimido pra dor de cabeça.
Talvez esteja na minha frente a resolução para os meus problemas

AGIR!

Tantos planos, vontades, projetos… Tudo isso é incerteza.
A minha única certeza de agora é que eu quero ser muitas vozes ecoando por aí.
Quero ser vento encontrando caminhos.
Arco-íris levando muitos aos potes de ouro.
Quero ser chave abrindo portas.
Ser farol.
Escrevo essa carta manifesto, convocando aqueles que acreditam na mudança. Passei tempo demais conectado. Agora de todas as formas possíveis quero estar junto.

Anderson